Sozinha na Disney – ODEIO HOLLYWOOD STUDIOS

Olá Pessoal, tudo bem?

Antes de tudo, é minha triste função informar que domingo que vem será o último post do #SozinhaNaDisney … Ahhhhhh … infelizmente tudo que é bom dura pouco, faculdade + TCC + trabalho + dança na night não tá fácil não minha gente… 🙁

Se você não leu o último post, clique aqui

O assunto de hoje é: Disney’s Hollywood Studios!

Eu confesso que de todos os parques esse foi o que eu mais… ODIEI. Sim, eu odiei o Hollywood Studios. O porquê? Vamos ver durante o post.

Como já tinha comentado nos posts anteriores, é muito importante fazer uma boa pesquisa antes de montar o roteiro. A questão é que eu fiz uma boa pesquisa e não encontrei muitas coisas que me chamassem a atenção no HS. E como sempre ouvi que esse parque é possível matar em uma tarde, então tinha escolhido ficar metade no dia em algum outro parque e a outra metade no HS. Mas por razões desconhecidas, nada deu certo comigo neste dia. O que aumentou meu ódio pelo parque.

Aqui vai meu roteiro:

ROTEIRO HOLLYWOOD STUDIOS – 28 DE JULHO DE 2016

Horário de Funcionamento: 09 AM às 10 PM

NOTA: O dia começou errado comigo acordando atrasada, perdendo o ônibus e tendo que pegar o ônibus do hotel. Por alguma razão, meu sono de beleza (que sempre acaba às seis da manhã) acabou terminando por volta das 8. Então me arrumei rapidamente, peguei o ônibus do hotel e #partiuparque.

Cheguei por volta das 10 AM, então já fui correndo para o Tower of Terror e me deparei com uma fila maior que a fila da lotérica no dia de pagamento. Como uma ótima paulistana que sou, já entrei na fila e depois de um tempo perguntei: “It’s the line for the Fast Pass?”, na esperança de que a moça falasse: No. Mas ela falou: “Yes”. Estava uma fila tão grande, mas tão grande, que eles tinham fechado a fila normal e estavam só com uma fila para o Fast-Pass (FP+).

Enquanto eu esperava lá na fila tomando meu sol matinal, um Cast Member (CM) apareceu e começou a oferecer FP de papel. Aceitei o papel e fui para o outro brinquedo: Aerosmith. Quando cheguei nesse brinquedo observei que a fila do normal estava maior que a do Single Rider, então fui no Single Rider.

Pausa para o que foi a PIOR DECISÃO DA VIDA!

Esperei por 1 hora e 17 minutos na fila do Single Rider. Eu quis morrer, mas tudo bem.

Saindo de lá, corri para o Star Tours onde tinha outro FP+. Depois de lá fui para o restaurante 50’s Prime Time Café e foi aqui que o meu dia foi definido como péssimo.

O 50’s Prime tem uma ideia diferente de restaurante. Ambientado numa cozinha dos anos 50, esse restaurante é bem família mesmo. O garçom não é o garçom, ele é seu pai, seu tio, seu primo. Então ele vai te entregar os pratos e vai puxar sua orelha se você colocar os cotovelos em cima da mesa. Quando encontrei esse restaurante me apaixonei pela temática dele. Então fui com um objetivo: levar uma bronca.

Acontece que Uncle Chris, meu garçom, não estava no clima da brincadeira. Bom, pelo menos comigo. Na cozinha em que estávamos, Uncle Chris e Aunt Becca eram os garçons responsáveis. Aunt Becca deu bronca, gritou quando alguém pegava o celular. Ela também fez duas mesas conversarem, sentarem juntas. Aunt Becca fez tudo. Já o Uncle Chris…

Ele começou colocando o cardápio da minha mesa. Não se apresentou. Porém ele comentou as regras para a mesa ao lado e disse seu nome. Ok! Pedi a comida, mexi no celular, coloquei os cotovelos na mesa, como também deixei comida no prato. E Uncle Chris? Nada. Mas com o senhor da família ao lado, o pai só colocou o braço por um instante na mesa e Uncle Chris fez o restaurante inteiro dar bronca nele. Isso me fez ficar muito chateada, mas beleza. Pedi a conta. Cadê Uncle Chris? Nada. Passou 20 minutos, e nada dele. Então me levantei e parei uma garçonete e pedi para pagar a conta. Na hora ele apareceu e disse: “And the tip?” e deu um sorriso. Quis bater nele. Gorjeta, moço? Pro Senhor que não me falou ao menos o seu nome? Ata!

“No’, eu respondi. Depois de pegar o troco fui na recepção falar com o gerente e fazer aquele bom e velho barraco. Falei, falei e falei. Ele me pediu desculpas e tudo mais, porém já tinha saído de lá com aquela sensação horrível. Sei que muitos vão discordar com a minha atitude, mas minha gente, o restaurante tem um objetivo de ter uma “ligação” com o cliente. Eles oferecem essa temática. E o cara não faz isso comigo porque estou sozinha? Poderia ter tido uma outra abordagem, sabe?!

Sai de lá e fui assistir o show do Indiana Jones.

Depois do show, corri para o Toy Story. Eu gostei muito do brinquedo, porém acho que teria sido mais legal se tivesse alguém comigo. Saindo de lá, fui no cinema 3D dos Muppets e achei muito legal. Adorei.

Acabei não fazendo o restante do parque porque maior parte dele estava em reforma. Cheguei a ir no show da Pequena Sereia, que é muito bonito mas não achei “aquela coisa imperdível”. Também procurei muito nesse parque o boné da Universidade Monstros e não encontrei.

Durante a parte da tarde/noite, acabei saindo do parque para Jantar com a Anna, uma amiga que fiz em um grupo do Facebook. Aqui aconteceu uma coisa muito engraçada. A Anna não lembrava onde estacionou o carro. Começamos aquele momento de desespero chamado “Cadê o carro?”. Corremos pra lá, corremos pra cá. Demos a volta… Nada. Até que uma CM apareceu e perguntou o que houve. Explicamos que tínhamos perdido o carro. Então ela disse: “Que horas você chegou aqui?”. A Anna comentou o horário aproximadamente e então a CM soube informar onde os carros daquele horário foram estacionados. E foi assim que achamos o carro! Particularmente eu não sabia que isso existia (até porque eu não tenho carro e não aluguei carro), mas achei uma informação muito legal.

Depois voltamos para o parque e assistimos o Fantasmic!. Eu gostei, mas não achei como um show assim imperdível. E também não vi a necessidade de reservar um FP+ somente para o Fantasmic.

Faltando 5 minutos para acabar o show, saímos e fomos correndo para o Teatro Chinês assistir o show do Star Wars. E minha gente, foi a melhor parte do meu dia. Aliás, foi o melhor show que vi durante minha viagem. É simplesmente incrível do começo ao fim. É projetado no Teatro Chinês diversas cenas de todos os filmes do Star Wars e termina de um jeito incrível. Saindo do parque fomos no Disney Springs dar uma volta. E depois ela me deixou no hotel. Como eu durmo muito tarde, acabei terminando a noite dando uma voltinha na linda Old Town, que era do lado do meu hotel.

Apesar de ter muitas coisas que não gostei do parque, o Hollywood Studios é um bom parque para família. Tem alguns brinquedos legais, mas não achei aquele parque imperdível. Acho que é um parque que pode ser “passado”, mas vai de pessoa para a pessoa. Para mim a única coisa imperdível é o show do Star Wars.

Espero que esse relato tenha ajudado vocês e que tenham gostado! Até a próxima

Quem escreve:

Marcela França. Sou uma futura Jornalista que é apaixonada pelos clássicos da Disney e uma leitora voraz nas horas vagas. Também sou uma aprendiz de viajante que tem aprendido a viajar pelo Brasil e o Mundo sozinha em busca de novos destinos e conhecendo novos amigos. Além disso, sou uma cacheada apaixonada por música e que canta a todo momento (mesmo sem cantar bem, hihi). Espero minhas histórias e experiencias ajudem vocês na sua viagem para esse lugar mágico.